Agente da Polícia Civil preso durante Operação 'Nêmesis' é ouvido pelo Ministério Público

O depoimento aconteceu na tarde desta quinta-feira

por Aiandra Faria
03/10/2019 - 17h00

Patos Já - Agente da Polícia Civil preso durante Operação 'Nêmesis' é ouvido pelo Ministério Público

Alguns presos durante a Operação 'Nêmesis', deflagrada no dia 24 de setembro pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Patos de Minas, com apoio da Polícia Militar em cidades do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba e estado de São Paulo, foram ouvidos pelo Ministério Público nesta quinta-feira (3). O agente da Polícia Civil, conhecido como Dão, foi um dos interrogados.

Durante a operação, 40 pessoas foram presas por mandado de prisão e seis pessoas foram presas em flagrante. A polícia ainda apreendeu 33 veículos, 133 celulares, oito armas de fogo, 50 computadores e R$ 265.456,95. Os presos estão sendo investigados pelos crimes de homicídio, falsidade ideológica, corrupção e roubos.

A operação contou com o apoio das unidades de Uberlândia, Uberaba e Belo Horizonte e da Polícia Militar, em 15 cidades do estado de São Paulo e Minas Gerais. Na nossa região as ações foram realizadas nas cidades de Patrocínio, Presidente Olegário, e em Patos de Minas, onde inclusive foi preso o agente da Polícia Civil, João Valdemar Cansado Pacheco, mais conhecido como Dão da civil, por suposta participação em organização criminosa, se valendo do crime para obter lucro.

De acordo com o Promotor de Justiça, Paulo César Freitas, no decorrer desta semana foi iniciado o chamado trabalho de cartório. “Estamos fazendo abertura de lacres, analisando as provas apreendidas, e ouvindo testemunhas e investigados”, afirmou o promotor. Os depoimentos começaram nesta quinta-feira, além do Dão, foram ouvidos os presos de outras comarcas, como São Paulo e Belo Horizonte, e testemunhas de Patos de Minas. Após ser ouvido, Dão retornou para a casa de custódia, em Belo Horizonte.

Os conteúdos dos depoimentos não foram revelados. “Nos próximos 15 dias nós estaremos oferecendo a denúncia, essa denúncia se torna pública, e quem tiver interesse pode ter acesso a algumas dessas versões. Será depurado quem será processado ou não, e quem deve permanecer preso”, concluiu o chefe do GAECO de Patos de Minas.


Comentários
Os comentários não representam a opinião do portal e são de responsabilidade do autor

  • NossaFM 105,9 - Patos de Minas/MG
  • NTV - Patos de Minas/MG
  • NossaFM 96,3 - Oliveira/MG