Chegada do Carnaval alerta para a necessidade da imunização contra a febre amarela

Quem vem curtir a folia em Minas Gerais precisa se vacinar com pelo ao menos 10 dias de antecedência

31/01/2018 - 15h00

Patos Já - Chegada do Carnaval alerta para a necessidade da imunização contra a febre amarela

Falta pouco para o Carnaval e quem vem curtir a folia em Minas Gerais precisa se vacinar contra a febre amarela o quanto antes. Isso porque a vacina só confere imunidade contra a doença contados 10 dias de sua aplicação, que é o tempo necessário para o organismo produzir os anticorpos necessários contra a doença. As informações são da Agência Minas.

“Além disso, Minas Gerais é área de recomendação de vacinação e, por isso, as pessoas que viajam para o estado devem estar imunizadas”, destaca o subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Rodrigo Said.

O subsecretário também lembra que a doença pode acometer e ser letal mesmo a quem tiver tomado a vacina (com menos de 10 dias de antecedência) e tiver contato com o vírus, antes dos 10 dias necessários para a vacina agir. Por isso, deixar para receber a dose somente quando chegar ao destino da viagem é um comportamento arriscado, tendo em vista o tempo necessário para que a vacina gere seus efeitos de proteção.

Vale destacar, porém, que o risco de contrair febre amarela não aumenta em ambientes lotados de pessoas, como é o caso das festas de Carnaval e blocos de rua. Isso porque a febre amarela não é uma doença contagiosa, ou seja, não se transmite de pessoa a pessoa, somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da doença.

“O risco de contrair febre amarela existe onde há circulação viral, independentemente do número de pessoas. Minas Gerais é um estado onde há circulação viral. Por isso, a melhor forma de se prevenir é mesmo se vacinar”, reforça Said.

Os casos de febre amarela registrados em Minas Gerais são os da sua forma silvestre, ou seja, aquela transmitida pelos mosquitos encontrados no ambiente silvestre, dos gêneros Haemagogus e Sabethes.

O último caso de febre amarela urbana, transmitida pelo Aedes aegypti, foi registrado no Brasil em 1942. Assim, os cuidados devem ser redobrados para os viajantes que se deslocarem para zonas rurais e áreas de mata.

Dados Epidemiológicos

Desde o início do 2º período de monitoramento da febre amarela (julho/2017 a junho/2018), foram confirmados 81 casos da doença em Minas Gerais, todos registrados em pessoas sem histórico vacinal para a doença. Do total de casos confirmados, 77 são do sexo masculino.

“Isso revela que, culturalmente, os homens têm menor costume de acessar as unidades de saúde de forma preventiva, ficando expostos, no caso da febre amarela, ao adoecimento pelo vírus”, aponta o subsecretário.

 


Comentários
Os comentários não representam a opinião do portal e são de responsabilidade do autor

  • NossaFM 105,9 - Patos de Minas/MG
  • NTV - Patos de Minas/MG
  • NossaFM 96,3 - Oliveira/MG